TAG: Sentimentos Literários – Parte 1

Dando continuidade a ideia de uma postagem de TAG’s por mês, começo esse mês de novembro com uma que ficará tão longa, mas tão longa, que resolvi dividir em duas partes logo de uma vez!!! Tive que fazer isso para não ficar cansativo, e quem for ler não acabar desistindo e deixar de aproveitar esse conteúdo que para mim é algo tão gostoso de preparar.

Essa TAG: Sentimentos Literários consiste em escolher um livro que represente cada um dos dez sentimento listados na tag e explicar o porque deles. A primeira vez que vi foi com a Lully, do blog Lully de Verdade,  e desde então fiquei doida querendo fazer. Hoje vou trazer 5 sentimentos, e na postagem de amanhã os outros pode ser? Vamos?

Alegria: O dia do curinga

o-dia-do-curinga

Escolhi esse livro pois me divertir muito lendo esse livro. Ele é cativante e intrigante (como todos os livros do Jostein Gaarder). Ele te prende do início ao fim, e impossível de ser decifrado até o final, adoro!! Achei simplesmente fantástica a forma como o autor apresentou a história do baralho com seus naipes e relacionando isso à coisas que fazem parte do nosso dia a dia e que muitas vezes não damos conta. Você já parou pra pensar que existem a mesma quantidade de semanas no ano e cartas no baralho? E quatro estações e naipes? Pois é, mais ou menos por ai! Eu sou suspeita porque AMO jogar baralho!! 

 

Tristeza: Ensina-me a viver

ensina me a viver

Esse livro deveria ser associado à coisas boas, e não à tristeza, pelo tanto que nos ensina, mas mesmo assim, resolvi enquadrá-lo nessa categoria, sabe porque? Porque é triste ver como não aproveitamos ao máximo a vida que temos e deixamos tantas oportunidades boas passarem. O livro basicamente conta a história de um jovem que vivia tentando suicídio e que um dia conheceu uma senhora de oitenta e poucos anos (acho) e que mostra pra ele o que é viver de verdade. Já vi até que virou filme e é super antigo, mas ainda não vi… será que tem no Netflix? rsrs

 

Medo: A sombra do vento

a sombra do vento

Eu sou simplesmente apaixonada pela narrativa de Carlos Ruiz Rafón, e ainda não terminei de ler a trilogia que compõe esse livro, mas de uma coisa eu sei, ele mete medo na gente. Juro, parece que você está vendo um filme de suspense e terror. A história toda acontece de uma forma tão intrigante e envolvente que você não tem vontade mais de viver, e só ler e ler. Acho que ele dá medo pois envolve um personagem “oculto” que você nunca sabe quando ele vai atacar. Sem contar a ambientação, se passa no início do século passado, com pouca tecnologia e em Barcelona. E só pra constar, outro livro que li do autor, o Prisioneiro do Céu se enquadra no mesmo tópico, ou seja, o último eu só vou ler quanto estiver de férias! kkkkk

 

Angústia: Livros de Guerra

Esse tópico eu resolvi não ilustrar senão teria que colocar no mínimo três capas aqui. Mas eu me explico: eu tenho PAVOR de guerra! Até parece que eu já passei por alguma ou sou descendente de alguém que passou, de tanta agonia que eu tenho disso. Por esse motivo, não consigo ler livros que tenha a guerra como temática principal. Já tentei vários: A arte da guerra, O menino do pijama listrado, Diário de Anne Frank…. Mas simplesmente não consigo, nas primeiras páginas já vou ficando angustiada e deixo o livro pela metade. E isso acontece até mesmo com filmes, já deixei de fazer trabalhos na escola por serem baseados em filmes de guerra. Tenso né?

 

Apego: Comer, Rezar e Amar

comer rezar amar

Apesar da proposta do livro ser justamente ao contrário, o desapego, esse é um livro a qual eu me apaguei muito e me fez ficar ainda mais apegada à algumas coisas. Mas eu digo isso não do ponto de vista pejorativo, ao contrário, me apeguei à coisas boas. A narrativa leve da autora e toda a trajetória dela (é um livro meio auto biográfico) nos faz ver o que realmente importa na vida e que tudo é transitório. E por isso mesmo nos faz dar valor às pequenas coisas/atitudes/atividades do dia e percebem como podemos ser felizes com simplicidade. Simplesmente amo!

 

Nostalgia: O presente precioso

o presente precioso

Esse é um dos livros mais antigos que já li e que tenho lembranças. Sou simplesmente apaixonada pela história e sempre que posso ir a algum sebo compro para presentear alguém. Acho que se ele enquadra perfeitamente o quesito nostalgia pois é um sentimento do próprio personagem no final do livro. Ele é um livro curtíssimo, com letras e espaçamentos enormes, para ser lido rapidamente e ser refletivo por muitoooo tempo. Lembro-me de uma vez ter feito um trabalho na escola, em que tivemos que criar uma maquete para contar a história de um livro, e escolhi este. Nostálgico não? rs

~~~~~~

 

Pois então, por enquanto são esses. Amanhã vou poder o restante, ok?

Um abraço,

Anap.

 

Ana Paula Cândido

Prazer, meu nome é Ana Paula! Obrigada pela visita em meu blog :) Dúvidas, críticas ou sugestões? Fique à vontade para comentar. Ficarei feliz com sua contribuição!